História

No tempo em que Timor-Leste era província ultramarina portuguesa não havia universidades no território. Os poucos timorenses que prosseguiam estudos no ensino superior faziam-no, por norma, em Portugal e Macau.

A história da educação superior de Timor-Leste começou ainda no tempo da ocupação da Indonésia, quando a 1 de outubro de 1986, foi fundada a Universitas Timor Timur (UNTIM), por iniciativa do Eng.º Mário Viegas Carrascalão, timorense, eis-Governador da Província de Timor Timur que trabalhava na Organização das Nações Unidas (ONU) e que foi nomeado pelo governo Indonésio.

Esta instituição de ensino superior privada estava vocacionada para a formação de gestores intermédios, técnicos agrícolas, professores do ensino pré-secundário e secundário. Contava então com quatro faculdades: Faculdade de Agricultura; Faculdade de Política Social; Faculdade de Educação e Faculdade de Economia e Gestão. No entanto, não oferecia cursos como Arquitetura, Direito ou Medicina, nem a investigação era uma área em desenvolvimento.

Em 1989 foi fundada o Politeknik Dili (no atual Campus de Hera), que iniciou funções no ano de 1991, seguindo igualmente o programa de desenvolvimento do Governador da Província. Esta instituição de ensino contava com três departamentos: Departamento de Mecânica; Departamento de Engenharia Civil e Departamento de Administração empresarial.

Em 1998/99 a UNTIM contava com 4 mil estudantes e 73 professores e o Politeknik Dili com 100 estudantes e mais de 30 professores. No entanto, a percentagem de ingresso de timorenses era muito baixa quando comparada com a dos imigrantes indonésios. Também a percentagem dos professores vindos da Indonésia era muito alta. As estatísticas confirmam que 20% dos professores primários e 98 % dos professores do nível pré-secundário, secundário e universitário não eram timorenses.

Em 1999, as duas instituições de Ensino Superior existentes foram destruídas e saqueadas pela milícia apoiada por militares indonésios. Como consequência da vitória pela independência, no referendo de 1999 que foi organizado pela ONU, 95% dos professores, que eram da Indonésia, abandonaram o país.

A Universidade Nacional Timor Lorosa´e (UNTL) foi a primeira e única universidade pública do novo país de Timor-Leste, tendo sido fundada em 17 de Novembro de 2000 como resultado da reorganização e fusão da Universitas Timor Timur e da Politeknik Dili, sob a direção do Reitor Armindo Maia. No processo de fusão, tanto o ensino técnico superior, quanto o académico passaram a ser ministrados pela UNTL.

Com o apoio internacional, a UNTL estabeleceu-se nas instalações, restauradas pela Câmara Municipal de Lisboa, do antigo Liceu Dr. Francisco Machado e da antiga Escola Canto Resende, da antiga Escola Técnica Dr. Silva Cunha, restaurada pelas forças navais dos Estados Unidos da América, e mais tarde, também no espaço do antigo Politécnico em Hera, entretanto renovado pela Japan International Cooperation Agency (JICA), bem como no edifício que antes tinha albergado a UNTIM.

Nos primeiros tempos, a maioria das salas de aula estavam praticamente despojadas do material essencial ao ensino, incluindo mobília. Para além disso, muitas das pessoas tecnicamente mais habilitadas para o ensino superior acabaram por ser atraídas para lugares no Governo ou na Administração Pública deste jovem país.

Contando com o esforço e dedicação de alguns professores pioneiros/fundadores e alunos da antiga universidade e do Instituto Politécnico de Díli, em novembro de 2000 a UNTL conseguia já acomodar aproximadamente 5 mil alunos.

Quando foi criada no ano de 2000, a UNTL contava com cinco faculdades, constituídas por 13 Departamentos:

  • Agricultura, com os cursos de Agropecuária, Agronomia e Agronegócio;
  • Ciências Políticas e Sociais, com os cursos de Ciências Governamentais e Administração Pública;
  • Ciências de Educação, com os cursos de Biologia, Matemática, Língua Inglesa e Língua Indonésia;
  • Economia, com os cursos de Contabilidade e Gestão;
  • Engenharia, com os cursos de Engenharia Civil, Mecânica, e Eletrotécnica.

Logo a seguir foram criados o Centro Nacional de Investigação Científica (CNIC) e o Instituto Nacional de Linguística (INL) que, entre outras iniciativas, desde então vem promovendo o desenvolvimento do tétum, uma das 2 línguas oficiais do país.

Em 2002, o primeiro reitor Dr. Armindo Maia foi nomeado para o cargo de Ministro da Educação, e, então, para assegurar a continuidade de governação da universidade, foi eleito o Prof. Dr. Benjamin de Araújo e Corte-Real como segundo reitor da UNTL para o período de 2002 – 2007. Mesmo assim por natureza, o cargo do mesmo reitor foi estendido até 2010.

Na Governação do reitor Dr. Benjamim, por meio da cooperação com Fundação das Universidades Portuguesas (FUP) foram criados novos departamentos e cursos em algumas Faculdades. Assim, à Faculdade de Educação foi acrescentado o Bacharelato de Formação de Professores e o Departamento de Língua Portuguesa (com apoio do Instituto Camões), à Faculdade de Agricultura foi acrescentado o Departamento de Ciências Agrárias, à Faculdade de Economia foi acrescentado o Departamento de Economia e Gestão, e à Faculdade de Engenharia o Departamento de Informática e Departamento de Eletrotecnia.

No ano de 2004, teve lugar a primeira graduação, onde graduaram 300 estudantes. No ano de 2005, o número de Faculdades voltaria a aumentar com a fundação de mais duas Faculdades: Faculdade de Medicina e Faculdade de Direito. No ano de 2007 também, teve lugar a segunda graduação com 1065 graduados.

A partir de 2007 foram oferecidos os primeiros cursos de Pós-Graduação “lato senso” em Timor-Leste na Faculdade de Ciências da Educação, por iniciativa da UNTL e da Cooperação Brasileira, no âmbito do “Programa de Capacitação de Docentes e Ensino da Língua Portuguesa” que assentava na cooperação entre MEC/Capes, MEC-TL e UNTL. Foram, então, organizados cursos de Ensino de Língua Portuguesa, Meio Ambiente e Gestão Escolar.

Em 2009, foi criado um programa de Pós-Graduação - Mestrado na Área de Avaliação, na Faculdade de Ciências da Educação, e um outro no domínio de Ciências e Tecnologia na Faculdade de Engenharia. Este segundo foi desenvolvido através de um convênio firmado com a Universidade do Minho – Portugal, apoiado pelo programa Edulink e denominado PosCaveT (Pós-graduação Cabo Verde e Timor-Leste).

No ano de 2011, foi eleito o terceiro reitor da UNTL, Prof. Dr. Aurélio Sérgio Cristóvão Guterres para o período de 2011-2016. No ano de 2016 foi eleito o quarto Reitor da UNTL, Prof. Dr. Francisco Miguel Martins para o período de 2016- 2021.